Custo de estoque: como determinar e calcular corretamente

custo de estoque: como calcular custo de pedido, manutenção e falta de mercadorias
 
O custo de estoque pode ser uma das maiores vantagens competitivas para vendedores de produtos. A Amazon é um bom exemplo de como a gestão de estoque pode ser responsável pelo sucesso e pelo posicionamento de uma marca no mercado. Não é à toa que saber a composição dessas despesas pode trazer reflexos positivos para as finanças do seu negócio.

O cálculo do custo de estoque ajuda a empresa a determinar a margem de lucro que pode ser otimizada a partir dos produtos em estoque, como esses custos podem ser reduzidos, onde fazer as mudanças, que fornecedores e itens precisam ser escolhidos e como alocar o capital da empresa.
 

O que compõe o cálculo do custo de estoque

 
O real cálculo do custo de estoque vai muito além do cálculo do custo de mercadoria vendida (CMV) ou da compra de matérias-primas. As despesas com a gestão de estoque e manutenção também são incluídas em uma longa lista de variáveis. Nós pretendemos entrar nesses detalhes para ajudá-lo a encontrar o seu custo de estoque.

Cada um desses custos será específico para cada tipo de negócio e está intimamente relacionado com as suas políticas de gestão e decisões (como a decisão de usar operadores logísticos terceirizados ou aplicar uma política de cross docking, por exemplo). Conheça abaixo as categorias de pedido, manutenção e falta e como encontrá-las e reduzi-las na sua empresa.
 

Categorizando os custos de estoque

 
As categorias e subcategorias do custo de estoque frequentemente são referidas com diferentes nomes. Não pretendemos expor a nomenclatura correta, mas vamos simplificar de forma que faça sentido para um e-commerce e para que seja útil para um gestor que deseja ter uma visão geral dos seus custos de estoque.

Custos de estoque têm 3 categorias principais:

  • Custo de pedido (ou processamento).
  • Custo de manutenção (ou armazenagem).
  • Custo de falta.

 
No diagrama abaixo, confira como esses custos se relacionam e interferem diretamente no custo de estoque:

 
Você vai conferir as definições de cada uma. Mas vamos focar nossas atenções nos custos de manutenção de estoque – que podem representar entre 18% e 75% de todas essas despesas com estoque e têm alto potencial de otimização para aumento da margem de lucro.
 
Descubra qual é o melhor tipo de estoque para a sua empresa
 

Custos de pedido

 
O custo de pedido (também chamado custo de processamento) ou custo de reposição de estoque é a despesa que decorre cada vez que um cliente faz um pedido. Esses custos podem ser divididos em duas partes:
 

  • O custo do pedido: pode ser considerado um custo de estoque fixo. São todas as despesas relacionadas com cobranças, gerenciamento de contas dos clientes e comunicação.
  • Os custos implícitos de logística: relacionados ao transporte e recepção de mercadorias. Esses custos são variáveis e vão depender do valor do frete e do volume total de pedidos. O custo do frete é, muitas vezes, capaz de causar fortes variações no valor unitário dos pedidos – e na margem de lucro.

 
Não é fácil estimar o custo do pedido e é ainda mais difícil conseguir encontrar referências. Isso acontece porque esse cálculo muda em diferentes modelos de negócios. Mesmo em empresas do mesmo setor, o cálculo pode variar por conta de estratégias de produtos específicas. O custo do pedido é influenciado por todos os participantes de uma cadeia de valor, especialmente pelos fornecedores.

O fornecedor dos seus produtos pode estar no Brasil ou na China e pode fazer entregas por transporte marítimo ou por cargas aéreas. Pode também estipular valores de venda que variam conforme as unidades compradas. Em uma situação fictícia, percebeu quantas variáveis adicionamos apenas a esse cálculo? Por isso, é fundamental entender o fluxo de mercadorias na sua empresa antes de calcular os custos de pedido.
 

Custos de manutenção

 
Custos de manutenção são essenciais do ponto de vista “estático” do estoque. Ou seja, os custos de manutenção de estoque ignoram o fluxo dos produtos e concentram-se apenas nas despesas do estoque parado.

Conheça as subcategorias dos custos de manutenção de estoque:
 

  • Custo de capital.
  • Custo de armazenagem.
  • Custo dos serviços de estoque.
  • Custo dos riscos de estoque.

 

Custo de capital

 
É o maior componente entre as variáveis de custo de manutenção de estoque. Inclui tudo o que é relacionado aos investimentos em capital intelectual e até o custo do dinheiro (variáveis inflacionárias ou deflacionárias). Determinar o custo de capital pode ser mais ou menos complicado, dependendo do negócio.

Uma regra básica para levar em consideração: é importante saber separar o seu estoque entre a parte que é ativo da empresa (ou seja, faz parte do inventário e patrimônio, como as máquinas e equipamentos do estoque) e a parte que depende do fluxo de caixa (como as mercadorias e matérias-primas adquiridas periodicamente).

Outro ponto importante é calcular o risco da manutenção do estoque, uma vez que os equipamentos e mercadorias estão expostos a acidentes, roubos, obsolescência e estão sujeitos até mesmo ao prazo de validade. Para a maioria das empresas, os custos de capital beiram os 15%, enquanto outras aplicam uma taxa de 5% sobre o total.
 

Custo de armazenagem

 
Inclui o custo do estoque decorrente do aluguel de espaço físico (armazém) e os custos variáveis como energia, água, aluguéis e impostos sobre a propriedade (IPTU, por exemplo).

Esses custos são vastos e dependem do tipo de armazenagem que a empresa escolheu – se o espaço é alugado ou próprio. Nas empresas em que o espaço do estoque é dividido com o escritório, pelo fato de o mesmo espaço ser usado para diferentes propósitos, é importante determinar uma porcentagem do espaço do escritório utilizada para o estoque a fim de fazer esses cálculos.

Nessa categoria, também é importante adicionar um fenômeno problemático: a saturação do espaço e armazenamento, que pode aumentar consideravelmente os custos de forma não linear, criando todos os tipos de despesas extras. Quando um armazém atinge o ponto de saturação, torna-se extremamente difícil a movimentação e o fluxo é interrompido (às vezes completamente).

Para empresas sujeitas a essas dificuldades, o tempo e dinheiro necessários para “limpar a casa” e retomar o fluxo podem representar gastos inesperados e desnecessários.
 

Custo de serviços de estoque

 
Inclui a segurança do espaço, TI, recursos humanos, gerenciamento e manuseio. Também podemos incluir nessa categoria as despesas relacionadas com controle de estoque e giro de estoque.
 

Custo dos riscos de estoque

 
Os custos de risco de estoque cobrem essencialmente o risco de perda de valor dos itens por conta do período em que ficam armazenados. Essa variável é especialmente importante em empresas que lidam com produtos perecíveis.
 

  • Extravio: os riscos incluem o extravio de estoque, que basicamente representa a perda de produtos entre o fornecedor e o ponto de venda. Geralmente, o extravio é causado por erros administrativos no envio dos produtos ou a alocação em lugares errados. Também podem ocorrer fraudes nas vendas, roubos e danos durante o transporte ou armazenagem. O extravio pode ser visualizado pelo estoque inicial, adquirido no fornecedor versus o estoque final menos a quantidade vendida.
  • Obsolescência: itens que passaram do prazo de validade, que saíram de moda ou foram substituídos por outro produto. O último caso ocorre frequentemente com produtos eletrônicos, que facilmente são substituídos por novas tecnologias e versões atualizadas.

 

Fórmulas e cálculos de custos de manutenção de estoque

 
Muitas empresas tendem a subestimar o total desses custos. As avaliações de especialistas estimam o custo de manutenção do estoque entre 18% e 75% do total. Como mencionamos anteriormente, o principal fator para determinar essa porcentagem são os custos de capital (incluindo o investimento em estoque) e o tipo de produtos (intuitivamente, quanto mais perecíveis, maiores os custos).

Outra forma rápida de calcular o custo de manutenção de estoque consiste em adicionar 20% à taxa de juros de empréstimos no período. Por exemplo, se a taxa de juros mensal é de 10%, os custos de manutenção seriam 10% + 20% = 30%.

Por razões já mencionadas, é difícil fornecer estimativas mais precisas. Também podemos considerar uma média que pode ser considerada frequente e normal entre as categorias mencionadas acima:
 

  • Custo de capital: 15%
  • Custo de armazenagem: 2%
  • Custo de serviço: 2%
  • Custo de riscos: 6%

 

Custo de falta

 
Finalmente, para chegarmos a uma visão completa dos custos de estoque, também devemos passar pelo custo de falta. São as despesas que incorrem quando ocorre a falta de itens após o pedido do cliente. Para o varejo, essa despesa também pode incluir envios emergenciais, mudanças de fornecedores ou substituição de mercadorias por produtos ou matérias-primas menos rentáveis.

Enquanto esses custos podem ser determinados com mais precisão, outros custos de falta não são fáceis de mensurar, como as despesas relacionadas com a perda de clientes (churn) ou a reputação da empresa (NPS). Perda de participação no mercado e planos de contingência de entregas são outros custos de falta que podem ser considerados no cálculo.
 
Saiba como calcular NPS e medir a reputação da sua empresa
 
O custo de estoque é inversamente proporcional ao custo de falta de estoque. Ou seja, quando mais altos forem os custos de pedido e manutenção, em geral, menores serão os custos de falta de estoque.
 
 
Como você mensura os custos de estoque da sua empresa? Comente abaixo para tirar eventuais dúvidas e ajudar outros empreendedores a calcular o custo de estoque da sua empresa.
 


Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *