Curva ABC: como utilizar na gestão de estoque

curva-ABC-para-gestão-de-estoque-saiba-como-usar

A Curva ABC é utilizada na logística para melhorar a gestão e o controle de estoque que, entre tantas ações, inclui mapear os produtos mais estratégicos de uma loja virtual.

Afinal, classificar as mercadorias pela sua relevância é uma tarefa essencial para definir os produtos que têm maior ou menor giro, evitar perdas de itens prioritários ou, quando for preciso, identificar a necessidade de vender alguns deles imediatamente.

Para ajudar nessa etapa, vamos mostrar abaixo tudo o que envolve a Curva ABC e como utilizar esse método para ganhar mais eficiência em sua operação.

O que é Curva ABC 

 

A Curva ABC, também conhecida como Teorema de Pareto, tem origem na teoria do economista italiano Vilfredo Pareto, que descobriu em um estudo sobre renda que que 80% das riquezas estavam concentradas nas mãos de apenas 20% da população. Posteriormente, Joseph Moses Juran, importante nome da área de qualidade, utilizou o sistema ABC, que ficou conhecido como sistema 80/20, para identificar que 80% dos problemas são causados por 20% dos fatores.

Desde então, metodologia ABC é empregada em várias situações para análise de causa e consequência. Por exemplo: apenas 20% da área de uma casa é utilizada em 80% do tempo e 20% dos produtos representam 80% do seu faturamento. Essa regra pode sofrer algumas variações dependendo do ramo de atividade, mas em geral a dinâmica é muito semelhante.

Hoje, no ramo empresarial, coloca-se que 80% das consequências se originam a partir de 20% das causas, e assim a Curva ABC tem sido aplicada na gestão de estoques, definição de políticas de vendas e  dos melhores clientes e fornecedores, além do estabelecimento de prioridades para programar a produção e uma série de outros problemas usuais na empresa.

Conceito da Curva ABC na gestão de estoque é fundamental

A Curva ABC na logística é empregada no controle de estoque para classificar e identificar a quantidade dos produtos e quais deles mais contribuem no faturamento ou que têm maior fluxo de movimentação.

Alguns produtos são mais importantes que outros e, por isso, precisam de maior atenção. Pode ser feita a separação dos itens no estoque seguindo algum critério, como: giro do produto, proporção sobre o faturamento, margem de lucro, custo do estoque ou outro parâmetro escolhido.

O termo ABC consiste em classificar os itens em 3 faixas:

Classe A: 20% dos itens representam 80% do valor do estoque;

Classe B: 30% dos itens representam 15% do valor do estoque;

Classe C: 50% dos itens representam 5% do valor do estoque.

Gráfico de Pareto

gráfico-de-pareto

Agora basta identificar que: a CLASSE A é o grupo de itens mais importantes a serem trabalhados e administrados. Afinal, são as mercadorias de maior atenção pela alta porcentagem que representam no total do valor do estoque.

A CLASSE B é o grupo intermediário que possui boa margem de contribuição e precisa de uma gestão moderada.

A CLASSE C é o grupo de itens menos importantes em termos de movimentação, no entanto, requer atenção pelo fato de gerar custo para manter no estoque.

As vantagens de aplicar o sistema ABC no estoque

 

1. Estoque em sintonia com a demanda

O sistema ABC no estoque fornece importantes informações sobre o giro dos itens. Fazendo o cálculo conforme indicado, é possível saber quais são as mercadorias com mais saída, o nível de lucratividade e quanto representam no faturamento da empresa, além de identificar quais produtos devem ser comprados em quantidade e frequência. Assim a gestão do estoque estará sempre alinhada com a demanda dos clientes, evitando a falta – ou pouca quantidade – dos produtos mais vendidos ou o excesso daqueles que têm pouca saída.

2. Geração de informações para a equipe de compras

Com informações sobre a demanda, o setor de compras pode fazer aquisições inteligentes ao acessar dados que permitem entender como está a saída de cada item. Isso reduz a quantidade de produtos supérfluos no estoque e os custos com manutenção e também planeja a reposição para que não aconteça nenhuma ruptura – perdas de venda por causa da falta de itens no estoque. Essa prática também garante a otimização do estoque, que não superlota com produtos propensos a ‘encalhar’, vencer ou ficar ultrapassado.

3. Campanhas de marketing assertivas

Os benefícios da Curva ABC se desmembram para diversos setores de uma empresa. O marketing também é atingindo positivamente quando as compras são feitas de maneira inteligente, já que terá melhor entendimento da situação para elaborar campanhas de divulgação e, principalmente, ações personalizadas para diferentes grupos de clientes.

4. Melhoria na saúde financeira

Tanto o fluxo de caixa quanto o capital de giro passam a ter melhor desempenho, deixando de impactar negativamente a área financeira. Para ter sempre esse resultado, é importante estar atento às informações do estoque.

5. Logística otimizada

É possível criar processos mais adequados no estoque, de acordo com as particularidades de saída dos produtos. Quando considerados os dados da Curva ABC, os processos de picking e entregas são facilitados. .

+ Como calcular o valor do frete

Como montar uma planilha de Curva ABC para a administração de estoques

 

Depois de estudar o conceito e a separação das classes AB e C, é hora de colocar em prática. Empresas que fazem uso de sistemas ERP já têm acesso a essas informações, já que o software apresenta o gráfico automaticamente após reunir e organizar os dados obtidos e ranquear os produtos de acordo com suas vendas no período selecionado.

Para aqueles que não fazem uso de sistemas de gestão, vamos ensinar passo a passo como montar uma planilha de Curva ABC usando o Excel:

  1. Primeiro, é preciso definir o período a ser analisado. Ele deve estar alinhado com as suas necessidades, podendo ser mensal, trimestral ou anual.
  2. No Excel, use as colunas para inserir as informações que serão analisadas, sendo elas: número ou referência do produto, nome do produto, número ou referência do produto, preços unitários, quantidade vendida, valor total do produto e participação no total das vendas.
  3. Ao inserir todos os dados relacionados ao estoque e seus custos, você deve organizá-los em ordem decrescente de porcentagem.
  4. Depois, some as primeiras linhas de porcentagem até chegar a 80% (ou próximo desse número). Essa soma representa cerca de 20% dos produtos listados e faz parte da Classe A da classificação ABC.
  5. Faça o mesmo com o restante da lista, de modo que a classificação B deve somar 15% e a classe C os outros 5% restantes.

Para manter todas as informações corretas na planilha, é preciso lembrar que:

  • O número ou referência do produto não pode estar duplicado na coluna.
  • O valor dos produtos precisa estar sempre atualizado.
  • Para determinar o valor total do produto é preciso multiplicar a quantidade vendida pelo seu preço unitário. Essa informação deve ser inserida na tabela, com os itens ajustados em ordem decrescente de valor.
  • Para obter o porcentual de participação do produto é preciso dividir o valor total de venda de cada produto pela soma do valor total das vendas de todos os produtos da lista.
  • É fundamental considerar a sazonalidade de um produto na hora de criar a Curva. Ela é determinante para fazer análises mais assertivas, em períodos específicos.
  • E muito importante: lembre-se de atualizar constantemente esses dados (valor dos produtos, saída e porcentual), pois eles influenciam diretamente na saúde do estoque – e do negócio

 

Com todas as informações preenchidas, a planilha deve assumir a seguinte forma:

curva-abc-para-gestão-de-estoque

É importante sempre levar em conta:

  • Os itens da classe “A” são aqueles que equivalem 80% do faturamento e, por esse motivo, nunca podem faltar no estoque. É preciso monitorá-los com frequência e criar um plano de compras baseado na demanda.
  • Os itens da classe “B” são aqueles que equivalem 15% do faturamento.
  • Os itens da classe “C” são aqueles que equivalem 5% do faturamento.

Pense que a lista ABC pode ser modificada de acordo com as suas estratégias e, por isso, alguns itens também devem ser incluídos na lista dos “Classe A” (seja por estarem atrelados a contratos de fornecimento ou mesmo por questões de marketing, em que há promoções ou campanhas especiais). Serão poucos itens nesta situação, mas que merecem tratamento diferenciado. Em contrapartida, os produtos de origem B e C também podem ser vistos como oportunidade de impulsionamento do negócio e não devem, de modo algum, ser tratados como menos importantes. Uma sugestão é usá-los para aumentar o ticket médio no momento do fechamento da compra. Vende roupa masculina? Ofereça um relógio para complementar o look. Vende panela antiaderente? Ofereça uma espátula de silicone para não danificar o material.

Em que situações a Curva ABC deve ser reconsiderada

 

A estratégia de Curva ABC ajuda um negócio a identificar forças e oportunidades em seu estoque e dá visão sobre como gerenciá-lo a partir disso. No entanto, para garantir assertividade e evitar falhas nesse processo, o fator humano deve continuar sendo considerado, em especial o setor de compras, responsável pelo seu abastecimento. Embora a Curva ABC traga análises coerentes, é preciso ficar atento a alguns pontos que podem induzir ao erro:

Validade, novidade e sazonalidade
Por mais que um produto possa ser valioso para um negócio, é preciso considerar essas informações no momento de compra. Avalie a média de saída dele para, então, determinar a quantidade a ser comprada. Se é um produto perecível, o prazo de validade precisa estar dentro da margem de saída; se é um produto que se atualiza frequentemente, como um celular, é preciso estar atento aos seus lançamentos; se o caso for de um produto sazonal, é necessário alinhar a necessidade de compra para outras datas.

Oportunidade
Se um produto está no radar do setor de compras para ser comprado em dois meses, mas sabe-se que o fornecedor irá aumentar seu preço nesse prazo, não há porque não antecipar o pedido para evitar gastos maiores. O mesmo acontece em situações em que o fornecedor lança uma promoção e o benefício é comprar mais por menos.

Aplicando a estratégia de Curva ABC no seu negócio, o controle de estoque será realizado de maneira mais eficiente e irá direcionar os esforços e recursos para os itens mais importantes. Além de ajudar a dar mais visibilidade para essa área, também vai dar ideias sobre como otimizar a aproveitar melhor o seu negócio como um todo, dessa forma você obtém lucro mais rápido ao mesmo tempo que reduz gastos, o que fará uma bela diferença para a saúde da sua empresa

O que você faz para controlar a gestão do estoque da sua empresa? Deixe um comentário e compartilhe suas experiências!


3 comentários em “Curva ABC: como utilizar na gestão de estoque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *