Marketing

Estratégias poderosas para aumentar as conversões na página de checkout

Mandaê

Postado por Mandaê

Atualizado em junho 15, 2021 por Mandaê

A página de checkout pode ser decisiva para o sucesso ou fracasso do seu negócio. Segundo levantamentos das empresas IBM, SaleCycle, entre outras, cerca de 70% das compras online são abandonadas nessa etapa.

Para aumentar a conversão, muitos gestores de e-commerce investem esforços em marketing e design, afinal, a primeira impressão da loja virtual é componente-chave para convencer os visitantes a navegarem e colocarem produtos no carrinho. Mas, quando se trata da compra propriamente dita, o processo do checkout supera qualquer outro elemento.

Por exemplo, se o visitante seguiu todos os passos esperados, mas abandonou o carrinho na etapa de finalização do pedido, isso demonstra que nenhuma estratégia anterior, por mais eficaz que tenha sido, supera uma falha no processo de compra. É como se todo o esforço para atrair o visitante fosse desperdiçado.

Por isso, trazemos neste post múltiplas estratégias e boas práticas para potencializar a capacidade de conversão na sua loja.

Estratégias para aumentar as conversões na página de checkout

As estratégias a seguir funcionam para qualquer modelo de negócio, mas primeiro é importante conhecer profundamente o seu produto e o seu público-alvo. Só assim será possível entender quais informações são realmente importantes, o que é considerado dispensável e o que é determinante oferecer uma boa experiência de compra.

Design do e-commerce

Com ajustes de design é possível sentir mudanças consideráveis na taxa de conversão. Um formato de checkout em que o formulário de dados do cliente e as opções de pagamento apareçam em uma única página, por exemplo, facilita a compra por mostrar que o processo será curto e simples. Exibir o número de passos que ainda estão por vir também ajuda a diminuir a ansiedade do consumidor.

Para obter resultados a curto prazo, outra ótima opção é o remover cabeçalho e o rodapé da loja a fim de evitar distrações para o usuário. O único foco na página de checkout deve ser o próprio checkout.

É recomendável trocar o cabeçalho por links importantes, como informações de entrega e sinais de confiança como gateway de pagamento seguro e certificado de segurança do site.

Nessa etapa, ter foto em miniatura do produto e a opção de mudar o pedido (alterar o volume, cor ou tamanho) ou excluí-lo também facilita o processo e evita que o comprador tenha que sair daquela página. Além disso, precisa estar bem claro os meios de pagamentos disponíveis e as opções de frete e seus valores.

Checkout transparente

Para estabelecer a confiança na página de compras, outra estratégia é manter os clientes em seu domínio em toda a experiência de compra.

É possível reparar que alguns sites direcionam o comprador para um provedor de pagamento de terceiros ao invés de manter o cliente em seu próprio domínio. Embora isso seja tecnicamente seguro, de um outro ângulo de percepção pode interromper o fluxo de compra do usuário e causar desconfiança.

Certificado digital

Mais de 20 anos após o advento do comércio eletrônico, os consumidores ainda ficam desconfiados em fornecer informações confidenciais, como detalhes do cartão de crédito, a menos que um varejista possa provar que é confiável, seguro e digno da venda.

Confiança é o que vai determinar se o cliente irá comprar de você. É nesse momento de decisão de compra que os certificados digitais fazem a diferença para garantir que o checkout é confiável.

Eles são a garantia de que seu site é um espaço seguro, proporcionando retornos positivos, como:

  • Proteção dos dados do cartão de crédito
  • Proteção dos nomes de usuários e senhas
  • Garantia da segurança entre servidores
  • Construção/aumento da confiança do cliente
  • Melhores taxas de conversão

Por isso, avalie os certificados digitais que possuem mais credibilidade no mercado e garanta que seu site seja reconhecido como um ambiente seguro para transações de dados e pagamentos.

Exemplos de páginas de checkout que convertem

Abaixo listamos três dos melhores exemplos de páginas de checkout extraídos e adaptados do artigo 11 of the world’s best ecommerce checkouts da Econsultancy.

Exemplo 1

checkout exemplos

Neste exemplo o visitante é direcionado do carrinho de compras diretamente para a página de checkout, sem distrações que o façam ir em outra direção. Um ponto forte é que não é exigido cadastro nesse momento, as informações como nome e e-mail são solicitadas no mesmo formulário no qual é inserido o endereço para envio do produto.

Além disso, é possível observar um checkout limpo, apenas com recursos que incentivem a compra como os logos de segurança, o resumo da compra e os passos do processo.

O preenchimento do endereço também é interessante. Estamos acostumados com sistemas que puxam nosso endereço a partir do CEP, mas nesse caso praticamente todos os campos possuem preenchimento automático e o endereço é sugerido também quando se começa a digitar o nome da rua.

checkout exemplos

O preenchimento automático hoje é algo indispensável, principalmente em casos como esse, em que o formulário de preenchimento é mais longo. Dessa forma, a etapa se torna tão rápida que o consumidor não tem tempo de desistir.

Exemplo 2

Mais uma vez não se vê nenhum requerimento de cadastro e nenhuma barreira para o visitante efetuar o pagamento.

A ferramenta do calendário é excelente para que a pessoa tenha a liberdade de escolher a opção exata de data para o recebimento da encomenda, enquanto outros pequenos detalhes só agregam à experiencia do cliente, como a ilustração que mostra a localização do código de segurança no cartão de crédito para eliminar barreiras no processo.

Fica evidente que essa loja virtual fez o devido estudo de comportamento e dores dos seus clientes, pois só assim poderia identificar certa hesitação nessa etapa do checkout para sentir a necessidade de deixar os campos para preenchimento dos dados do cartão o mais claro possível.

Exemplo 3

Esse é um checkout elegante com design limpo. Possuí apenas um link para retornar ao carrinho de compras, caso necessário.

A mensagem suspensa no topo da tela sobre como obter ajuda para completar o serviço é uma boa forma de mostrar preocupação e indicar “Olá! Estamos aqui caso precise”. Alternativas como FAQs e chat online também são ótimos recursos. Esteja sempre disponível para ajudar.

Repare que os sites não precisam (nem devem) “encurralar” ou “sufocar” os clientes no checkout, a ideia é apenas reduzir as distrações desnecessárias.

Tendências de checkout para ficar de olho

Uma ideia inovadora é o one-click-buying ou “compra com um clique”, que funciona por meio de um avançado armazenamento de dados, evitando que os consumidores tenham que preencher longos formulários a cada vez que forem efetuar uma compra. Ou seja, com apenas um clique o cliente pode adquirir o produto.

Como tudo que é novo, é claro que pode haver certa resistência por parte dos clientes de início, ainda mais quando relacionado ao fato de terem que informar dados de pagamento para ficarem armazenados no sistema da loja.

Diante disso, há o modelo que não pede dados do cartão de crédito. Então, ao clicar em “Comprar”, as informações do cliente são acionadas, o boleto bancário é enviado para o e-mail cadastrado e a mercadoria é encaminhada para o endereço também já armazenado.

Há também a recomendação de produtos, que apesar de não ser algo muito recente, possuí especificidades diversas que talvez não estejam no conhecimento de todos. Existem cinco principais tipos de recomendação:

  • Baseada em conteúdo: é quando são recomendados produtos similares ao que o cliente está comprando.
  • Filtragem colaborativa: popularizada pela Amazon, esse tipo de recomendação é feita a partir do estabelecimento de um perfil em comum para então sugerir itens de usuários com gostos e preferências similares. É quando vemos a mensagem “Pessoas que compraram isso, também se interessam por isso” seguida de sugestões dos produtos.
  • Behavioral targeting: a essência dessa recomendação é baseada no monitoramento do comportamento dentro da loja virtual e características mais precisas do cliente, como sexo e idade, o que possibilita uma recomendação mais assertiva de outros produtos.
  • Cross selling: é a estratégia de recomendação de produtos complementares ao que está sendo comprado.
  • Recomendação híbrida: é o processo que combina dois ou mais tipos de recomendação.

Em suma, a página de checkout é a parte mais importante da sua loja online. Você não pode vender mais e fazer a sua empresa crescer se não conseguir converter os visitantes. Pense nisso como o momento em que a confiança é o mais importante, por isso, obtenha o máximo de feedback sobre a experiência de compra para não cair nas estatísticas de erros mais comuns cometidos nessa etapa.

Principais erros que acontecem no momento do checkout

Antes de nos aprofundarmos em alguns dos principais erros de checkout que prejudicam a compra na loja virtual, veja abaixo dados expressivos obtidos e divulgados pelo BigCommerce:

  • 61% das desistências de compra se deram devido a custos extras elevados (envio, impostos e taxas).
  • 35% das pessoas não quiseram criar uma conta antes de prosseguir com o checkout.
  • 27% desistiram por que o processo de checkout foi muito longo ou complicado.
  • 24% não conseguiram ver ou calcular o custo total da compra.
  • 22% informaram que os sites visitados apresentaram erros ou saíram do ar por um momento.
  • 18% não confiaram na loja para informar dados de cartão de crédito.
  • 10% não acharam a política de devolução justa ou satisfatória.
  • 8% não viram seu método de pagamento preferido.
  • 5% tiveram seu cartão de crédito recusado.

Enquanto alguns aspectos não são tão simples de reverter, outros podem ser otimizados o quanto antes para diminuir a incidência de abandono de carrinho.

Um bom exemplo é o estudo de caso realizado pela User Interface Engineering. A empresa registrou uma mudança significativa no comportamento dos visitantes de um site quando substituiu um simples botão de “Cadastrar” por um de “Continuar”.

Essa decisão foi tomada depois da percepção de que as taxas de desistência de compra estavam caindo e a grande maioria das pessoas que se cadastravam por “pressão” não lembravam seu login e senha quando retornavam à loja virtual, o que causava uma série de outras frustrações.

O resultado da mudança? Com essa única alteração as vendas subiram 45%, o que resultou em um faturamento de 15 milhões de dólares no primeiro mês e 300 milhões de dólares no primeiro ano.

Para compreender a importância disso, veja o problema a partir da ótica dos compradores. Eles visitam seu site para comprar produtos, quando visualizam algo que gostam e adicionam esse produto ao carrinho de compras não querem ser forçados a criar uma conta. Eles desejam gratificação instantânea e não um compromisso antecipado com a empresa.

Como solução ao exemplo anterior, ao fazer a alteração do botão, eles também adicionaram uma mensagem dizendo que o cadastro não era obrigatório para fazer checkout, mas poderia ser útil quando o cliente fosse retornar à loja. Esse tipo de abordagem soa bem mais amigável.

Dois outros fatores de desistência, também diretamente ligados ao design do e-commerce, são a disposição das informações e o design responsivo.

Um estudo da universidade Northumbria comprovou que 94% dos motivos pelos quais as pessoas não confiam em um site estão relacionados a problemas de design, por isso, certifique-se de que o cliente tenha uma boa experiência também por meio do celular ou outros aparelhos.

checkout design responsivo

Por fim, não seria nada bom se a sua loja saísse do ar bem na hora em que o cliente fosse fechar uma compra. Para evitar que essa situação aconteça, tenha uma hospedagem confiável, com suporte adequado ao seu negócio. Pedir para o cliente “voltar mais tarde” é implorar para ele comprar no concorrente.

    Ao assinar a newsletter da Mandaê, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações.