Logística

Como os custos logísticos podem definir o crescimento do seu e-commerce

Postado por Mandaê

Atualizado em dezembro 1, 2021 por Agencia Chili

Lojistas virtuais de todos os portes e segmentos enfrentam diversos desafios logísticos que vão desde a organização do estoque até a distribuição das encomendas, mas um dos principais ainda é conseguir ter o controle eficaz de todos os custos logísticos.

A falta de acompanhamento e informação sobre os custos fixos e variáveis presentes em toda a cadeia logística é um grande percussor para o prejuízo de muitas empresas.

Mas, antes de começar a fazer contas ou decidir por uma tecnologia de automação para otimizar os processos, é preciso saber o que está inserido nos seus custos logísticos para, a partir disso, eliminar gastos ou repensar a distribuição dos investimentos para manter a saúde da sua empresa e, consequentemente, seu crescimento.

Custos logísticos que podem definir o sucesso do seu negócio

Por mais que a logística de uma pequena ou média empresa não seja tão complexa como a de grandes corporações, ainda assim engloba muitos fatores que precisam ter seus custos completamente alinhados. Em outras palavras, é preciso ter controle de todo e qualquer fator que impacte diretamente o desempenho do seu negócio.

Segundo levantamento realizado em 2015 pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), somente o estoque e o manuseio são responsáveis por grande parte dos custos logísticos, totalizando 37,4% dos gastos de uma empresa.

No entanto, há outros custos que englobam todo processo de planejamento, implementação e controle do inventário desde o ponto de origem (entrada) até o ponto de distribuição (saída) das mercadorias – como o custo de estoque, custo de armazenagem, custo de embalagens, custo de tecnologia da informação, custos de transporte e respectivamente o frete. O cálculo equivocado, por exemplo, pode gerar subsídios desnecessários e distorcer a rentabilidade dos produtos.

Confira a seguir os detalhes dos principais custos logísticos do e-commerce.

Custo de estoque

Já explicamos o que é e como determinar e calcular corretamente o custo de estoque e, com isso, compreender que os fatores a serem levados em consideração vão muito além do preço pago pelo produto, já que ele deverá ser movimenhttps://stgmandae.com.br/custo-de-estoque-como-determinar-e-calcular-corretamente/tado e estocado.

Você deve considerar que o estoque é um investimento e todo investimento vai exigir um capital empregado. Quanto maior o volume de estoque e quanto mais tempo um produto permanecer alocado, maior será o custo de armazenamento.

Entre os principais custos de estoque estão:

Custo de produto: o valor investido em cada produto adquirido através de fornecedores.

Custo de falta: quando há falta de item no estoque por causa de vendas perdidas e atrasos de entrega.

O custo de venda perdida pode ser ocasionado por prejuízos com produtos deteriorados, danificados, vencidos ou quebrados somado a qualquer perda de lucro futuro. Já o custo de atraso pode ser acarretado por falhas de processos logísticos que resultam em prejuízos diretos para a empresa.

Custo de armazenamento/manutenção: envolve todos os gastos que a empresa tem com mão de obra, inventário, espaço físico, aluguel, impostos, assim como custos associado aos riscos de estoque parado, por exemplo.

+ Como fazer controle de estoque de maneira eficaz

Custo de armazenagem e movimentação interna

O controle do custo de armazenagem é fundamental para o equilíbrio entre demanda e oferta de produtos e, mesmo não sendo nenhuma novidade, isso ainda é um desafio para as empresas, assim como identificar quais pontos da logística estão funcionando bem e quais estão gerando prejuízo.

É importante estar ciente dos fatores que contribuem para os custos de armazenagem, que basicamente é a soma de tudo que diz respeito a alocação das mercadorias. No geral, existem os custos fixos e variáveis, fique atento.

Custos fixos:

  • Aluguel e taxas de edifício
  • Capital dos equipamentos (depreciação, juros, contratos)
  • Salários básicos
  • Seguro (produtos, equipamentos)
  • Custos indiretos alocados

Custos variáveis:

  • Manutenção
  • Custos de operação
  • Despesas com mão de obra e hora extra
  • Quaisquer despesas com terceiros

Entre todos os custos que afetam significativamente a rentabilidade de uma empresa, o de armazenagem é, sem dúvidas, um dos que merecem extrema atenção.

O grande desafio é ter excelência nos processos de armazenagem e saber como reduzir seus custos. Além do mais, o sucesso da logística está intrinsecamente ligado à agilidade das etapas de recebimento e expedição dos produtos.

Como calcular o custo de armazenagem

Para calcular o custo de armazenagem é necessário adotar os seguintes passos:

Na etapa para calcular os itens de custo, a fórmula que você deve usar é a seguinte:

Custo da Armazenagem = Q/2 x T x P x I

Sendo:

Q* = Quantidade de material em estoque no tempo determinado

P** = Preço unitário do material

I*** = Taxa de armazenamento, expressa geralmente em termos de porcentagem no custo unitário

T = Tempo considerado de armazenagem

Exemplo: em um mês sua empresa comprou 200 unidades de um determinado produto ao preço médio de R$ 10,00 cada um para 30 dias de armazenamento.  Por sua vez, após todos os levantamentos, o “I” (taxa de armazenamento) ficou em 25%. Ou seja:

Custo de Armazenagem = 200/2 x 30 x 10,00 x 0,25 = R$ 7.500,00

*A quantidade de material em estoque no tempo determinado (Q) é dividido por dois considerando a média de estoque utilizado no período determinado.

** O preço unitário deve ser considerado constante no período analisado, caso não seja, considere um valor mínimo.

*** O valor de I (taxa de armazenamento) é obtido através da soma dos diversos gastos de manutenção e armazenamento como apontado anteriormente.  

+ Giro de estoque: como calcular e vender itens encalhados

Custo de embalagem

Uma empresa eficiente e que busca se manter à frente da concorrência é aquela que entende que se preocupar com a logística desde os processos iniciais resultará em reflexos positivos na experiência do cliente e na imagem da marca.

Entregar um produto no tempo certo, com o menor custo possível e sem nenhum defeito são quesitos suficientes para uma empresa ter credibilidade no mercado, mas para poder desempenhar esse papel com qualidade é preciso entender o impacto da embalagem na logística do e-commerce.

É possível combinar economia e segurança da mercadoria partindo do entendimento de que a inutilização do espaço cúbico pode ser melhorada através da minimização do tamanho da embalagem ao adotar medidas simples como enviar itens desmontados, por exemplo.

A minimização do espaço cúbico é mais importante no caso de produtos leves, que consomem mais área em um veículo de transporte antes de o limite de peso ser atingido. Por outro lado, produtos pesados consomem o limite de peso de um veículo de transporte antes que a capacidade cúbica seja ocupada.

Se você estabelecer uma embalagem mais resistente a todo o processo, provavelmente terá uma redução de quase zero dos custos de falta e armazenamento dos produtos, mas será o melhor investimento? Isso é você que vai avaliar de acordo a realidade do seu negócio.

O importante é ter a consciência de que a embalagem ajuda a vender o produto pelo melhor preço e, com isso, trazer vantagens competitivas para a sua empresa.

+ Embalagem para e-commerce: casos de sucesso, preços e como economizar

Custo com transporte

Todas as despesas relacionadas à movimentação externa de materiais podem ser consideradas custos com transporte, que vão variar de empresa para empresa e um dos principais pontos de influência é se possui frota própria ou terceirizada para fazer as entregas.

De acordo com a Pesquisa Logística no E-commerce Brasileiro 2015 foi constatado que de 2013 para 2015 a opção por fazer o transporte das mercadorias por meio de transportadoras privadas cresceu. Outro fator de impacto é o frete, que também está incluso no custo de transporte.

Por último, e não menos importante, é preciso ficar atento ao last mile (última milha), visto que grande parte do custo de entrega total de uma empresa vem dessa etapa do transporte.

Em geral, essa taxa é passada para o cliente e quando isso não acontece podem ocorrer impactos negativos para o negócio. Por isso, garantir a eficiência em toda a parte logística resultará em menores custos com a última milha.

De modo geral, para se certificar de que seus gastos com o custo de transporte sejam bem utilizados leve em consideração a agilidade, qualidade e economia na entrega dos produtos.

+ A difícil tarefa de precificar frete no e-commerce

Custos com tecnologia da informação

Na logística moderna é crescente a complexidade operacional. O aumento da variedade de produtos e entregas, a diminuição dos prazos, a intolerância a erros e a pressão para reduzir os níveis de estoque são algumas das principais características do setor.

Como consequência, alguns componentes dos custos logísticos, como de armazenagem, ganharam mais importância e por isso o uso de tecnologias de automação se tornam cada vez mais necessárias, pois trazem mais performance no manuseio, além da redução de custos que estaria diretamente ligado aos inevitáveis erros humanos que ocorrem em meio a cadeia logística.

Segundo o livro Gestão de Custos Logísticos, de Maria de Fatima e Ana Cristina, a tecnologia da informação funciona “como um elo entre as atividades logísticas a um processo integrado [que envolve todas as áreas], combinando o hardware [computadores, coletores de dados e separadores automáticos] e software [sistemas em si] para medir, controlar e gerenciar as operações logísticas que ocorrem em uma empresa específica, bem como ao longo da cadeia de suprimentos”.

Esse custo, no entanto, vai variar conforme as necessidades da empresa, porque para cada perfil haverá um sistema mais apropriado.

Como reduzir os custos logísticos

Um dos principais desafios para os pequenos e médios e-commerces é descobrir como reduzir os custos logísticos e para isso há diversos fatores que você pode levar em consideração, como:

1. Estruturar bem todos os processos desde recepção de produtos, produção, armazenagem e expedição.
2. Identificar e eliminar desperdícios como fila, movimentação desnecessária de materiais, tempo estoque, entre outros.
3. Otimizar packing para diminuição de custo de materiais e cubagem que afetam no frete.
4. Fomentar parcerias de longo prazo com fornecedores.
5. Automatizar processos com sistemas ERPs.

Se você quer ainda mais facilidade para lidar com os custos logísticos, fale com a Mandaê.

    Ao assinar a newsletter da Mandaê, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações.

    Gostou? Compartilhe!