E-commerce

3DS 2.0 – o que é e por que esse protocolo é importante para a sua loja

Postado por Mandaê

Atualizado em dezembro 16, 2021 por Mandaê

Em poucas áreas a tecnologia tem avançado tão rápido quanto no e-commerce. Contudo, com ela também avança a sofisticação nas fraudes e ataques. A tecnologia do 3DS 2.0 (3D Secure 2.0) surgiu para elevar níveis de segurança e lidar com as principais fraudes que afligem os pagamentos online. Mas o que é esse protocolo e o que você lojista precisa saber?

O 3DS 2.0, colocado de forma simples, é um protocolo que passa a responsabilidade do chargeback por fraude para o banco emissor. Além disso, ele separa algumas etapas de autenticação e autorização e utiliza muito mais dados para garantir que uma compra não é produto de fraude.

Como funciona o 3DS 2.0?

Ao contrário da versão 1.0 do 3DS, a versão atual fornece um volume de dados substancialmente maior a cada transação. O fluxo de dados é dez vezes maior entre o cliente, a loja e o emissor do cartão.

A verdade é que, apesar de mais fácil para o cliente, o 3DS 2.0 envolve muito mais etapas de averiguação. Tudo começa quando o cliente utiliza o cartão na sua loja:

  1. Um intermediário de segurança 3D coleta os vários dados do cartão do cliente e os transmite ao emissor do cartão, que, em seguida, solicita uma autenticação.
  2. Com base do nível de risco do cartão em questão, um sistema avalia a melhor forma de autenticação: por senha, SMS, impressão digital ou reconhecimento facial, por exemplo. As possibilidades são inúmeras.
  3. Em seguida, o resultado da autenticação (positivo ou negativo) vai para a loja.
  4. Por fim, o sistema da própria loja conclui o pagamento junto ao emissor, por meio de uma etapa final de autorização.

Autenticação e autorização

Bem, para muitos de nós, essas duas palavras parecem querer dizer o mesmo. A autenticação e a autorização são etapas completamente distintas no 3DS 2.0.

Autenticação: o processo de autenticação diz se o usuário é realmente o titular do cartão que está apresentando. São exigidas “provas”:

  • um SMS com código
  • uma certificação de e-mail
  • ou até mesmo dados de biometria.

Autorização: analisa se o cartão está autorizado a realizar a operação (se possui saldo ou limite para a transação, por exemplo).

No 3DS 2.0, essas duas etapas envolvem uma série de dados transacionados, mas na óptica do cliente, tudo parece simples e fluído.

Por que o 3DS 2.0 é bom para a loja virtual?

Sob a visão do cliente, apesar do volume de dados muito maior na autenticação, parte do processo ocorre de modo “silencioso”. Ou seja, o cliente está sendo autenticado de diversas formas, porém não há interrupções na operação.

Para o lojista isso implica em mais segurança, com menor necessidade de custos extras ou contratação de outros serviços. Além disso, com o 3DS 2.0, cabe ao emissor a responsabilidade de ressarcir o comprador.

Também vale ressaltar que o 3DS 2.0 é importante para dar mais segurança às transações feitas com cartão de débito. Eleito como o terceiro meio de pagamento mais utilizado pelos consumidores, pode ser uma oportunidade de gerar mais conversões também na loja virtual.

Leia também:

+ 5 golpes na internet que ameaçam sua loja virtual (e como evitá-los)

+ Moeda virtual: bitcoin como solução para as vendas

    Ao assinar a newsletter da Mandaê, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações.

    Gostou? Compartilhe!