Logística

Entregas com drones: opção realista no Brasil?

Postado por Mandaê

Atualizado em dezembro 14, 2021 por Mandaê

A nossa paixão pela ficção científica levou a uma série de experimentos com drones na logística. Entregas com drones hoje ocorrem em alguns segmentos e mercados, e no Brasil já houve testes nesse sentido.

Mas será mesmo que as entregas com drones são uma opção viável, principalmente se considerarmos as particularidades do mercado brasileiro?

Hoje, de acordo com os dados da ANAC, já existem cerca de 88 mil drones registrados no Brasil, sendo que 42% são destinados para uso profissional. Isso significa que existe grande interesse pelo uso desse tipo de aeronave, principalmente em alguns setores, como segurança e agricultura.

Além disso, o mercado de drones é promissor: de acordo com a Droneii, empresa alemã especializada nesse segmento, o mercado de drones no mundo deve crescer anualmente cerca de 13,8% entre 2020 e 2025, alcançando uma receita de US$ 43 bilhões.

Já houve experiências no Brasil, especialmente em grandes cidades. Muito se falou a respeito, mas a verdade é que pouco se avançou no sentido de uma real estratégia de distribuição com esses equipamentos.

Por que há limitações nas entregas com drones?

Em primeiro lugar, antes de penetrar em qualquer tipo de particularidade do mercado brasileiro, há que se pensar nas limitações dos drones para a logística em termos globais.

De qualquer modo, é bem verdade que o custo desses equipamentos recuou de modo sistemático nos últimos anos. De milhares de dólares, hoje é possível adquirir drones por até menos de US$ 100 em lojas de eletrônicos.

Variáveis que influenciam nas entregas com drones

As entregas de produtos adquiridos ou pedidos online possuem muitas variáveis como, por exemplo, tamanho, peso, distância, tempo de entrega, local e muito mais. E, na realidade, os drones se tornam inviáveis com grande parte dessas variações.

1. Autonomia

Antes de tudo: drones possuem uma autonomia relativamente pequena. Tanto assim que testes em geral foram realizados testes apenas em ambientes urbanos e em distâncias pequenas.

2. Capacidade de carga

Drones são equipamentos leves e simples. Além disso, os drones não suportam grandes cargas. Desse modo, apenas funcionam para a entrega de itens leves.

3. Operador humano

Aqui está uma grande barreira – os drones ainda precisam de alguém que os opere. Ou seja, se uma empresa economiza nos custos com pessoal na entrega, tem de dispor de um funcionário que opere o drone para levar o produto ao cliente. E esse operador, na maioria dos casos, é um profissional que custa mais caro que um entregador.

4. Regulamentação

Os drones são o que os americanos chamariam de “zona cinza”. Se por um lado são gadgets, quando passamos à logística, podem ser considerados equipamentos de trânsito ou até de “aviação civil”. Portanto, nesse sentido, teriam de ser regulamentados pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil).

5. Segurança

Roubos e assaltos a entregadores, infelizmente, ainda são uma constante em muitos locais. Em alguns lugares, inclusive, entregas são limitadas ou sequer são realizadas, por questões de segurança. No caso dos drones, a questão pode ser ainda pior: além do produto, os criminosos também roubam o “entregador”.

6. O pouso

Pousar um drone exige precisão e controle. Pousar um drone com cargas irregulares é uma arte impossível. Além disso, é preciso ter garantias de que o destinatário desses produtos dispõe de uma área na qual o pouso do equipamento é possível – o que não é absolutamente realista.

Há um futuro para os drones na logística?

A despeito de todos os problemas da entregas com drones, sim. A verdade é que, em ambientes controlados, os drones podem acelerar a produtividade e reduzir perdas e erros.

Gigantes logísticos utilizam drones em algumas tarefas em seus centros de distribuição. Em grandes empresas, por exemplo, drones podem transportar documentos, instruções ou mesmo pequenas peças e componentes entre setores relativamente distantes.

Enfim, o drone tem sim um espaço no setor logístico. Ele apenas não está, necessariamente, na entrega de produtos ao cliente final.

Entregas com drones ou não – o importante é chegar

Seja como for, entregas com drones podem ser uma boa jogada publicitária. Em termos práticos, contudo, ainda há muito o que trilhar. Mais do que artifícios tecnológicos, o cliente quer mesmo é receber o produto bem e no prazo.

E, por mais maravilhados que estejamos com esses robozinhos voadores, a sua loja online precisa garantir a entrega ao consumidor.

E nisso, pode ter certeza, a Mandaê é a plataforma logística que, por meio da tecnologia, oferece um serviço de entrega de qualidade que o seu negócio precisa.

💡 Se você está em busca de um parceiro logístico de confiança e quer conhecer mais sobre a Mandaê, então entre em contato conosco!

Leia também:

+ 7 principais tendências de logística que estão transformando o mercado

+ Logística verde: um desafio para o e-commerce

    Ao assinar a newsletter da Mandaê, declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações.

    Gostou? Compartilhe!