E-commerce

Estratégias para prevenção de fraudes no e-commerce

Postado por Mandaê

Atualizado em abril 18, 2021 por Mandaê

prevencao-de-fraudes-no-e-commerce_o-que-fazer
 
Métodos para a prevenção de fraudes no e-commerce têm sido cada vez mais discutidos por profissionais do setor, principalmente diante do constante crescimento de cibercriminosos nas compras online.

Segundo o relatório Raio-X da Fraude no E-commerce Brasileiro, realizado pela empresa Konduto, a taxa de tentativa de fraude em compras por lojas virtuais é de 3,83%, ou seja, um em cada 26 pedidos realizados pela internet é de origem criminosa. O estudo analisou mais de 10 milhões de transações online de 100 lojas virtuais do país.

Essas ações mal-intencionadas ocorrem principalmente com cartões de créditos clonados, o que aumenta a probabilidade de e-commerces desprotegidos serem alvo de ataques.

Nesse cenário, é fundamental adotar medidas que reduzam ao máximo tentativas fraudulentas, tornando seu e-commerce mais seguro e livre de prejuízos, como você verá a seguir.

Dicas para prevenção de fraudes no e-commerce

 
Todo lojista que faz vendas por meio de cartão de crédito precisa ter uma política de análise de risco para a prevenção de fraudes, visando determinar uma classificação de risco para cada situação de compra. Assim, se todos os itens avaliados estiverem em conformidade com os critérios estabelecidos, a compra é aprovada. Já se estiver diante de situações que causem desconfiança, a compra pode ser cancelada e um profissional pode entrar em contato com o consumidor para verificar a veracidade daquele pedido.

Essa precaução ajuda a reduzir golpes e chargebacks (quando o cliente identifica uma cobrança indevida em sua fatura e entra em contato com o banco para receber o valor de volta).

Os dois principais motivos que fazem o chargeback aparecer para assombrar seu negócio são: má fé da parte do cliente e fraudes virtuais que são reconhecidas pelas operadoras dos cartões através da divergência de cadastro. Em ambos os casos você tem:
 
Prejuízos administrativo: porque você desenvolveu todo o processo de marketing, venda e envio do produto após a compra.
 
Prejuízo financeiro: porque você arca com todos os custos.
 
Prejuízo fiscal: devido à emissão de nota e demais documentações requeridas no processo de venda.
 
Para evitar esses prejuízos é preciso ser criterioso nos processos de análise de risco da sua loja virtual. Você pode recorrer a empresas especializadas nessa atividade, porém, algumas práticas simples realizadas pelo próprio lojista já são suficientes para evitar transtornos:

Estabeleça políticas de segurança

 
Em cada negócio é preciso entender qual é a sua margem de ticket médio para então criar políticas de segurança com base em cada faixa de valor de compra.

Exija senhas fortes

 
Exija no mínimo seis caracteres, mesclando o uso de símbolos ou números. Quanto mais longos e complexos os logins e senhas, mais difícil será para os criminosos violarem seu site.

Compras fora do padrão

 
Existe um certo padrão que as pessoas utilizam ao comprar produtos. Por exemplo: se você tem um e-commerce de produtos capilares e normalmente o padrão (de acordo com a realidade do seu negócio) é o cliente comprar um shampoo e um condicionador, mas ao invés disso ele compra os quatro condicionadores mais caros da sua loja, então você pode investir em um nível a mais na sua política de análise de risco para essa compra.

Quando o lojista consegue identificar o comportamento dos seus consumidores, torna-se mais fácil perceber quando a compra sai dos padrões, dando ao empreendedor a oportunidade de prevenir fraudes no e-commerce.

Envio caro

 
Normalmente pessoas que estão mal-intencionadas e querem cometer fraude escolhem a opção de entrega mais rápida. Mesmo tendo a opção de frete gratuito, elas escolhem SEDEX, SEDEX 10 ou até mesmo SEDEX HOJE. Então, fique atento a isso, pois em muitos casos os fraudadores compram produtos de valor baixo, mas com frete elevado.

Consulte a documentação

 
Consulte o CPF para ver se o nome do cliente que efetuou a compra corresponde com o CPF que está no site, assim, quando for emitir a nota, você não terá problemas, já que isso também pode indicar fraude.

Entre em contato com o cliente

 
É muito provável que em casos de fraude, o número fornecido no cadastro esteja errado ou nem exista. Caso o cliente seja encontrado pelos dados fornecidos, relate a situação e espere que ele explique porque fugiu ao comportamento habitual para que então você possa liberar a compra sem receio.

Sistemas de segurança para prevenção de fraudes no e-commerce

 
O sistema antifraude ideal será aquele que melhor se adequar à realidade do seu comércio, como a quantidade de vendas realizadas, o tipo de produto vendido e o valor do serviço que estiver dentro do seu orçamento.

Além disso, as ferramentas antifraude calculam seus custos pelo número de análises que serão feitas, portanto, é preciso verificar quantas vendas serão realizadas e analisadas pelo sistema.

Esses itens devem ser verificados, porque, por exemplo, em casos de produtos que podem ser revendidos facilmente, a tendência é a ocorrência de mais fraudes nas transações daquele segmento, sendo necessária uma ferramenta que analise mais aspectos do processo de compra antes de autorizar a venda.

Fique atento ao planejamento, selecione um sistema que ofereça bom custo-benefício, mas jamais deixe de optar por um alto nível de segurança.

Certificado Digital SSL 

 
prevencao-de-fraudes-no-e-commerce
 
Você já deve ter percebido em determinados sites um cadeado e a palavra HTTPS na barra de navegação. Isso é a indicação de que aquela página possui Certificação Digital SSL instalada, ou apenas SSL (Secure Socket Layer). Os consumidores reconhecem isso como um ambiente seguro, o que aumentam as chances de efetuarem uma compra ali.

Esse certificado garante que as informações fornecidas pelo cliente sejam criptografadas e possui modalidades diferentes, que devem ser usadas de acordo com a necessidade do seu negócio. As principais são:
 
SSL Simples: criptografa as informações que foram preenchidas no seu site, protegendo os dados de seus clientes.
 
SSL EV: além da criptografia, esse certificado valida informações da empresa, como CNPJ e endereço. Também ativa a barra verde no endereço do seu site para indicar ao cliente que aquele ambiente é seguro, contribuindo para aumentar as chances de venda.
 
SSL Wildcard: é indicado para lojistas que possuem vários subdomínios. Por exemplo, comercio.lojavirtual.com, compra.lojavirtual.com, entre outros.

O sistema não é tudo

 
De pouco adianta ter um sistema de segurança robusto se internamente sua empresa não estiver capacitada para lidar com as informações sigilosas dos clientes. É importante garantir que sua equipe seja cautelosa com os dados recebidos.

Além disso, os sistemas podem cometer dois tipos de erros: aprovar uma transação fraudulenta ou rejeitar uma transação boa. O modelo perfeito acertaria todas as transações, mas isso não existe na prática e você deve estar ciente disso para não sair perdendo, uma vez que as únicas e exclusivas funções de todos esses recursos listados são garantir a segurança e credibilidade do seu negócio.

Ter uma política bem definida em todos os processos da compra é importante para fazer o seu cliente se sentir totalmente seguro. Não deixe de disponibilizar essas informações em seu site para que ele possa navegar no ambiente de compra com tranquilidade.

 
Quais cuidados você adota para prevenção de fraudes no e-commerce? Compartilhe nos comentários abaixo!

Gostou? Compartilhe!